In-Game Leader: Capitanbooblo conta como é liderar uma equipe no PUBG

14/07/2020

Jogador argentino Capitanbooblo jogando PUBG no computador, em sua casa

Ter confiança, estudar os adversários, aprender com os erros e se preparar psicologicamente são os atributos do bom In-Game Leader (IGL) no PUBG. É o que aponta o argentino Facundo "Capitanbooblo" Solsona, de 19 anos, o líder dos times pelos quais passou desde o início da carreira, há dois anos.

Ele está hoje na Bad Boys 3, uma das principais equipes de PUBG da América Latina, e também teve a missão de liderar a Piantaos Gaming e a Cream Esports.

Início

Capitan começou a jogar PUBG em meados de 2018, depois de comprar o primeiro computador, por incentivo dos amigos. "Nós não vencíamos nenhuma partida, mas a sensação de chegar ao último círculo era algo que nenhum outro jogo havia me dado".

O pro-player entrou para o cenário competitivo ainda em 2018, a partir do PUBG Global Invitational (PGI) daquele ano.

"Desde quando era garoto, eu sempre quis me dedicar a ser um jogador competitivo, mas nunca havia me animado. Quando olhei para o PGI 2018 e os outros torneios internacionais, eu sabia que era isso que eu aspirava ser", relembra Capitan.

Ver essa foto no Instagram

Gracias bariloche.

Uma publicação compartilhada por Colo (@facundosolsona) em

Nova posição

Quando passou a fazer parte da Piantaos, o argentino não era o IGL: entrou como entry-fragger, mas logo conquistou o posto de capitão, a partir da escolha dos jogadores em conjunto. Ele não deixou mais o posto, também sendo o IGL da Cream Esports e hoje da Bad Boys 3.

"Foi um processo de aprendizado bastante complicado", comenta Capitan. "Não se trata apenas de melhorar as decisões no jogo. O processo mental de que você precisa para lidar com cada situação diferente em uma partida é a chave para alcançar os objetivos".

Ele completa que "em cada derrota e cada vitória há algo novo para se aprender, mesmo que seja o mínimo".

Por isso mesmo a capacidade de acumular aprendizados e experiências é muito útil, de acordo com Capitan. O IGL também deve ser estudioso para conhecer os adversários e, assim, armar as táticas da própria equipe.

Mas, segundo Capitan, o mais importante é possuir e demonstrar confiança.

"O principal para ser um bom IGL é ter confiança em si mesmo. Parece absurdo e é algo que todos diríamos, mas é realidade. Qualquer decisão, mesmo a pior da partida, deve ser tomada com absoluta confiança e sem hesitação, para não criar confusão para a equipe", explica o capitão da Bad Boys 3.

Confiança e preparo psicológico

Confiança está intimamente ligada ao preparo psicológico. Isso se torna ainda mais fundamental em competições de alto nível, com a pressão por resultados que há sobre jogadores e times.

"Como em qualquer esporte, o psicológico é importante, ainda mais em um jogo que você precisa tomar decisões. Você sabe que uma decisão errada pode desencadear o caos", analisa Capitan.

Ele acredita que qualquer pessoa pode desenvolver as habilidades necessárias para IGL. Não são atributos que, necessariamente, devem "nascer" com a pessoa. "É possível aprender a ser um IGL, ninguém nasce sabendo. Mas você precisa ter o desejo e se dedicar completamente a ser um bom IGL para conseguir alcançá-lo".

Como ser IGL

Para se desenvolver como IGL, Capitan aponta que é preciso saber se comunicar e aprender com os erros. 

"Uma boa comunicação permite que o IGL demonstre seus pensamentos e suas decisões aos companheiros. Mas o que me fez o IGL que sou hoje é o errado. Cada erro que eu estava cometendo nos jogos ou torneios dos quais eu participava me ajudou a ser um IGL melhor", destaca o argentino.

O IGL tem a missão de liderar a equipe rumo a bons resultado, com as melhores tomadas de decisão possíveis.

O capitão deve definir os pontos de queda, as rotações, os locais a serem tomados e os momentos de trocar tiros com os adversários.

"A decisão final é tomada pelo IGL, mas pode haver situações em que o IGL não tem noção do que está acontecendo em alguma parte do mapa, então a decisão é tomada por outro companheiro de equipe. As principais quedas do meu time foram definidas em conjunto. O IGL é a voz final, mas cada chamada dos seus companheiros sempre é levada em conta", detalha o líder da Bad Boys 3.

Animação

Embora a pressão e a responsabilidade sejam imensas, Capitan sente-se realizado com o cargo que ocupa. 

"A melhor parte de ser um IGL é a satisfação que você quando ganha um jogo", crava o pro-player. "É claro que uma partida pode ser vencida graças a um jogador ou a um bom trabalho em equipe. Mas, saber que o time que você lidera está comemorando uma competição ou uma partida aumenta bastante a sua animação".

Depois de uma temporada 2019 difícil, Capitan chegou ao topo do cenário competitivo da América Latina. A Bad Boys 3 conquistou o título da PUBG Super Week e ficou na 3ª colocação da primeira Copa PUBG Masters de 2020.

Relembrando o início da carreira, dois anos atrás, Capitan exalta a boa fase que vive. "É incrível. Eu sinto que é o começo de uma grande etapa pessoal".

Bad Boys 3

Capitanbooblo

IGL

In-Game Leader

PUBG