A caminho do PGI.S: Meta Gaming

01/02/2021

Jogadores de PUBG da Meta Gaming na Coreia do Sul, onde irão disputar o PUBG Global Invitational S

A Meta Gaming é uma das duas representantes da América Latina no PUBG Global Invitational S (PGI.S), campeonato internacional a ser realizado na Coreia do Sul, de 5 de fevereiro a 28 de março, com 32 participantes. Com novidade no elenco, a equipe chega com moral devido às performances de 2020 e mira as primeiras colocações também no palco mundial.

O retrospecto recente é positivo: a Meta Gaming conquistou o título das três temporadas da Copa PUBG Masters realizadas no ano passado, além de ter encabeçado a fase de grupos de duas delas. Um domínio que credenciou a equipe para o PGI.S, onde os latino-americanos irão enfrentar as principais potências internacionais.

Para o PGI.S a Meta Gaming tem uma novidade: a adição do sul-coreano Kim "WICK2D" Jin-hyung, que passou por Gen.G, DeToNator.KOREA, entre outras. O elenco conta ainda com o brasileiro Pedro "sparkingg" Ribeiro, o argentino Nahuel "SzylzEN" Balseiro e o uruguaio Franco "Ragnaldinho" Labrador. O treinador é o brasileiro Lucas "Nananga" Strada.

Leia mais: Elencos das equipes participantes do PGI.S são anunciados
Leia mais: Conheça o formato inovador do PGI.S

Desafio do Bolão: aposte nos vencedores do PGI.S e ganhe prêmios

Treinamento

Durante a quarentena em quartos individuais de hotel que os jogadores precisaram fazer ao desembarcarem na Coreia do Sul, a Meta Gaming treinou diariamente contra as equipes do PGI.S, o que a ajudou a perceber o nível que enfrentará a partir do dia 5. Foram dois blocos de treinos diários.

"São as melhores equipes de cada região, a margem para erro é muito pequena", destaca sparkingg. "Se você errar uma vez é o suficiente para perder a partida".

Por isso, o período de treinamento antes do início do PGI.S tornou-se tão importante, embora aquela máxima de que treino é treino e jogo é jogo seja verdade.

Sparkingg defende que a Meta Gaming não altere o seu estilo e possa se adaptar às situações das partidas.

"Não podemos mudar muito o nosso estilo de jogo, mas não devemos ficar na zona de conforto. O que fazíamos em dois minutos na América Latina, temos de fazer em um aqui, com menos erros possíveis. Se mudarmos o estilo, não vamos conseguir fazer o nosso jogo. Temos de fazer o que estamos acostumados e nos adaptarmos às situações na hora. O mais difícil de estar aqui é improvisar. Temos de manter o mesmo jogo, mas a capacidade de improvisação e adaptação tem que estar a todo vapor, para mudar táticas e rotações", detalha o brasileiro.

Formato e estilo de jogo

Isso é ainda mais relevante em um campeonato como o PGI.S, com um formato de disputa inovador, em que as vitórias serão mais valorizadas.

"Na fase semanal o foco é manter os quatro jogadores vivos o máximo de tempo possível para decidir no final, quando, trocando tiros, temos igual capacidade de ganhar", aponta sparkingg.

O brasileiro, que se destacou na América Latina em 2020, terá o PGI.S como primeira experiência internacional em torneio oficial. Para ele, é a realização de um sonho.

"Eu sempre tive o sonho de disputar um campeonato mundial e estou realizando, e ainda com bons holofotes sobre mim", afirma o brasileiro, que não se sente pressionado pela expectativa criada em torno dele. "Sempre gostei de dificuldade e de ser cobrado. Eu quero ser o melhor todo dia, ser a melhor versão de mim. Se eu errei ontem, hoje eu vou acertar cinco vezes para não cometer os mesmos erros. Isso me motiva muito".

Habilidades individuais

O experiente Ragnaldinho ressalta que a habilidade individual dos jogadores é o principal trunfo da Meta Gaming, elegendo sparkingg e SzylzEN como os dois melhores atletas da América Latina.

"Eu acho que as calls do SzylzEN são sempre muito boas. Ele tem muita noção de jogo. Por mais que seja um campeonato internacional, eu confio muito nele. O sparkingg tem experiência com os europeus e eu sei que irá amassar", declara Ragnaldinho.

O uruguaio é modesto ao falar de si próprio, apesar de uma longa trajetória no PUBG latino-americano. Ele sempre disputou as primeiras colocações e esteve em três, dos quatro campeonatos internacionais oficiais realizados desde 2018.

Ragnaldinho conta que, em 2020, teve uma fase de baixa na carreira, mas que está de volta ao melhor de sua forma. "Ultimamente eu estou me sentindo melhor como jogador".

Nesta engrenagem que precisa rodar no PGI.S, entra Wick2d. O sul-coreano traz experiência e, ao mesmo tempo, dificuldades para a comunicação.

"O Wick nos adiciona muita experiência contra os asiáticos. Isso será muito bom para nós porque temos a experiência minha, do SzylzEN e do sparkingg contra América do Norte e Europa, mas não temos tanta experiência contra os asiáticos. Mesmo no PGI [PUBG Global Invitational, em 2018] e no PGC [PUBG Global Championship, em 2019], não jogamos muitas partidas. O Wick já joga aqui há muito tempo, isso traz muita força para nós", explica Ragnaldinho.

Por outro lado, é preciso ajustar a comunicação, já que os jogadores têm conversado em inglês, língua que o sul-coreano ainda não domina plenamente. "O foco agora é melhorar a comunicação", aponta o uruguaio.

Expectativas

Apesar dos desafios pela frente, Ragnaldinho está confiante de que a Meta Gaming pode ter uma boa performance. Um top 5 seria ótimo, embora o título seja o objetivo, conforme ressalta sparkingg.

De qualquer maneira, os dois jogadores destacam que a comunidade latino-americana pode esperar uma Meta Gaming forte, dedicada e sem medo.

"Eu sempre falo para os moleques que não é para baixarmos a cabeça. É fazer o nosso jogo, ir para cima e não ter medo de avançar. Podem esperar que vamos dar o nosso melhor para vencer e representar a comunidade da melhor maneira possível", exalta sparkingg.

"É uma experiência única viver isso aqui”, diz Ragnaldinho. "É o maior e mais importante campeonato que já jogamos".

Meta Gaming

Nananga

PGI.S

PUBG

PUBG Global Invitational S

Ragnar

Sparkingg

SzylzEN

WICK2D